ECOENDOSCOPIA/ULTRASSOM ENDOSCÓPICO

O QUE É A ECOENDOSCOPIA OU ULTRASSOM ENDOSCÓPICO ?

 

    A ecoendoscopia é um exame que surgiu através da união do ultrassom e do aparelho de endoscopia. Este aparelho especial de endoscopia  possui em sua ponta um pequeno transdutor de ultrassom, o qual permite que, além da visão endoscópica, tenhamos a visão ultrassonográfica. Assim, além de permitir a avaliação da mucosa do sistema digestivo, pode examinar toda a parede do esôfago, estômago, duodeno, cólon e reto e alguns órgãos e estruturas vizinhas tais como: o pâncreas, o fígado, o colédoco, vesícula, linfonodos perigástricos, mediastino, o baço, os rins e estruturas vasculares.

 

COMO DEVE SER O PREPARO PARA A ECOENDOSCOPIA?

        O preparo é semelhante ao de uma endoscopia, ou seja deve-se fazer uma dieta mais leve na véspera, evitando de comer alimentos de difícil digestão, como carne vermelha. O tempo de jejum normalmente é de oito horas para alímentos sólidos; Alimentos ditos líquidos restritos como agua, chá (ausência de proteínas) necessitam de três a quatro horas. O estômago precisa estar completamente limpo e vazio, para permitir o estudo ultrassonográfico adequado. E caso o jejum não seja respeitado, o paciente tem um risco de apresentar aspiração do conteúdo no estômago para o pulmão e ter complicações, as vezes graves.

DEVO CONSULTAR COM O MÉDICO ANTES DE REALIZAR O EXAME?

    Claro. Para a realização da ecoendoscopia existe a necessidade de passar na consulta com seu médico endoscopista especialista em ultrassom endoscópico. Nesta entrevista médica é essencial que você leve todos os seus exames, inclusive os de imagem para assim traçar um conduta adequada para cada caso.

QUAIS MEDICAMENTOS PODEM INTERFERIR NO EXAME?

   

     Sim. Os anticoagulantes usados para diminuir o risco de tromboembolia "ralear o sangue" (clopidogrel, AAS, marevan e similares). Eles não interferem no realização do exame disgnóstico, porém eles podem prejudircar a realização de punções e biópsias. O risco de sangramento aumenta porque o sangue não coagula – Portanto, tais medicamentos, muitas vezes, devem ser suspensa antes do exame.

A ECOENDOSCOPIA É FEITA COM SEDAÇÃO ENDOVENOSA?

     Sim, geralmente a sedação é realizada é semelhante a de uma endoscopia, porém devido ao exame ser demorado e necessitar de uma imobilidade maior do paciente, a sedação pode ser um pouco mais profunda que o habitual. A sedação normalmente tem efeito rápido dependendo do medicamento utilizado, podendo o paciente acorda logo após o seu término. A monitoramento cardíorespiratório é sempre realizada desde o ínicio do procedimento.

​​

COMO ACONTECE O EXAME?

 

     O médico endoscopista insere um tubo flexível “normalmente um pouco mais calibroso que o endoscópio padrão” sob a visualização direta. O exame permite o estudo de vários órgãos, inclusive das camadas das paredes dos órgão pelo qual o aparelho passa. Tudo é observado e gravado em imagens em tempo real pelo monitor de vídeo.

​​

QUAIS COMPLICAÇÕES PODEM OCORRER DURANTE O PROCEDIMENTO?

 

        A endoscopia digestiva realizada por profissionais capacitados é extremamente segura e as complicações são incomuns. Mas, assim como todos os procedimentos que envolvem sedação, há riscos cardiopulmonares, arritmias, parada respiratória, reações anafiláticas. Outros riscos bem mais raros são de perfuração, sangramentos e infecções (geralmente pela migração de bactérias do aparelho digestivo para a corrente sanguínea).

QUE DOENÇAS O EXAME PODE DETECTAR?

 

      A ecoendoscopia é diagnóstica na maioria dos casos e têm por objetivo o estadiamento de tumores que acometem o esôfago, estômago, duodeno, reto e a via biliopancreática. Ela pode fazer parte da propedêutica da dor abdominal e pancreatite aguda de origem desconhecidas. Cada vez mais tem crescido as indicações terapêuticas como, por exemplo: a drenagem ecoguiada dos abscessos e pseudocistos pancreáticos, a neurólise ecoguiada do plexo celíaco, em casos de dor neoplásica ou da pancreatite crônica, a paracentese ecoguiada, a realização de necrosectomia pancreática ecoguiada, além do tratamento do câncer de pâncreas e das vias biliares pela formação de uma fístula entre o fígado e o estômago.

Existem duas indicações para a ecoendoscopia:

Diagnóstica

  • Estadiamento dos tumores de esôfago, estômago, pâncreas, vesícula biliar, reto e entre outros orgãos

  • Estudo de compressões extrínsecas e/ou de tumores subepiteliais

  • Tumores sólidos e císticos do pâncreas

  • Massas abdominais, mediastinais e perirretais

  • Coledocolitíase e microlitíase

  • Infecção em coleções abdominais e perirretais

  • Insucesso da cateterização da via biliare pancreática

Terapêutica Ecoguiada

 

  • Injeção de toxina botulínica

  • Intratumoral de quimioterápicos e agentes citotóxicos

  • Alcoolização de cistos pancreáticos

  • Neurólise do plexo celíaco

Técnicas de Drenagem

  • Necrosectomia ecoguiada

  • Tratamento dos abscessos e pseudocistos pancreáticos

  • Tratamento dos abscessos pélvicos

  • Derivações wirsungogástricas, coledocoduodenais e hepaticogástricas​​

 

QUAL A DURAÇÃO DO EXAME?

       

         A ecoendoscopia é um exame um pouco mais demorado: de 20 a 60 minutos. No caso da ecoendoscopia terapêutica a duração pode variar, dependendo de vários aspectos como tipo de anestesia e o tipo de tratamento proposto.

​​

O QUE ACONTECE APÓS O PROCEDIMENTO?

     

       Recomenda-se repouso semelhante ao da colonoscopia, até se recuperar da sedação, porém em alguns casos pode haver a necessidade de observação. O paciente deve comer algo leve e ir para casa sempre acompanhado. Não é permitido dirigir. Caso sinta algum mal-estar, deve-se procurar o pronto-atendimento para avaliação.