PRÓTESES ENDOSCÓPICAS

O que é são as próteses endoscópicas e para que estas servem?

 

         Este procedimento consiste na colocação através de endoscopia de um tubo feito de uma malha, ao qual se dá o nome de prótese, de forma a manter aberto um segmento do tubo digestivo que que se encontra estenosado (ou seja, que tem um aperto). Estas próteses podem ser plásticas ou metálicas. A abordagem endoscópica vai depender do local estenosado: por endoscopia digestiva alta se a estenose for no esófago, antro gástrico ou duodeno; colonoscopia nas estenoses do cólon ou reto; CPRE nas estenoses das vias biliares; enteroscopia nas estenoses do delgado. 

        Pode ser necessária uma dilatação prévia do segmento estenosado e, frequentemente, a colocação da prótese é feita com apoio radiológico através de um fio-guia colocado por via endoscópica. Após a sua libertação a prótese expande-se naturalmente, mantendo o segmento do tubo digestivo em causa aberto e permitindo assim um trânsito normal através dele. Refira-se que as próteses plásticas rígidas, geralmente utilizadas na via biliar, são já introduzidas na sua forma definitiva.

Como é o preparo e a sedação?

         O implante de próteses endoscópicas são realizadas sob o efeito de anestesia, pelo que nesses casos poderão ser exigidos alguns exames e avaliação em consulta de anestesiologia. O preparo é semelhante ao de uma endoscopia, em caso de próteses colônicas pode ser necessário um preparo intestinal prévio e individualizado.

Indicações

          A inserção de próteses por via endoscópica está indicada quando existe um afilamento do trato gastrointestinal “estenose” que impede a normal passagem de alimentos, fezes ou bílis. Estas estenoses podem ser malignas, isto é,  causadas por tumores, ou benignas.

         São exemplos de indicações para a colocação de próteses divididos por segmento do tubo digestivo:

  • Esófago: Neoplasias; Estenoses Pépticas; Fístulas pós operatórias ( principalmente cirurgias bariátrica)

  • Estômago e Duodeno: Neoplasias do antro gástrico.

  • Cólon: Tumores estenosantes do Cólon (como medida paliativa ou como ponte para se realizar uma cirurgia em melhores condições de preparação)

  • Vias Biliares e Pâncreas:  Neoplasias da cabeça do Pâncreas; Colangiocarcinomas; Estenoses benignas das Vias-biliares e pós operatórias; Fístulas biliares; Coledocolitíase; Colangite; Profilaxia da Pancreatite pós-CPRE entre outras. 

Complicações

       As complicações das técnicas endoscópicas podem ocorrer durante e após a colocação das próteses. Uma risco específico da colocação de próteses é a migração das mesmas para outros segmentos do tubo digestivo, o que leva à perda da sua função e pode mesmo causar outras complicações no local da migração, como a obstrução, perfuração ou hemorragia.

      Após a sua colocação, as próteses podem ficar ocluídas, tanto devido ao crescimento do tumor como pela impacção de corpos estranhos, nomeadamente alimentos.

    A colocação destes dispositivos aumenta também o risco de complicações infeciosas e como todas as outras complicações referidas anteriormente, pode levar à necessidade de intervenção cirúrgica ou à morte.